Portugal

José Carlos Santiago

Curador e Facilitador

www.jcsantiago.info
www.jcsantiago.net
www.jcsantiago.com

Abordagens para a sua Saúde e Bem Estar

Fáscia

A fáscia e o sistema fascial têm sido completamente ignorados apesar da sua importância ser demasiado grande.

A fáscia também conhecida por tecido conectivo é a base de todo o nosso corpo pois é ela que faz e mantém todas as ligações e é ela que mantém unido todo o nosso corpo.

Uma vez que ela está em todo o lado seria suposto dar-lhe alguma atenção mas como está em todo o lado ninguém lhe presta atenção.

O mesmo se passa em relação ao ar que respiramos. Só nos lembramos dele quando ele nos falta ou quando ele está demasiado poluído.

Seria óptimo se fosse prestada mais atenção às coisas que nos rodeiam e com as quais convivemos diariamente em vez de as relegarmos para segundo plano e só lhes darmos atenção quando surgem os problemas.

Isto é o que se passa com a fáscia; ninguém lhe dá importância até que surjam problemas miofasciais ou outros que impossibilitem a pessoa de ter uma vida normal.

Só quando o problema se instala é que se procura soluções e se dá a devida atenção a algo que sempre esteve ali.

A fáscia ou tecido conectivo é composta por elastina, colagénio e mucopolissacaridios.

No fundo o mais importante (e simples de entender) é que ela é composta por elastina que lhe dá qualidades elásticas e colagénio que lhe dá qualidades de cola.

É este equilíbrio, entre a quantidade de elastina e de colagénio, que permite que os tecidos tenham flexibilidade e elasticidade até determinados limites.

Quando este equilíbrio se rompe, cria-se o terreno propício ao aparecimento de problemas de saúde como dores, fibromialgia, cansaço, etc.

A fáscia envolve qualquer célula, órgão, tecido, músculo, fibra, etc. e hoje sabe-se que ela tem um papel determinante no estado e condição de qualquer parte do nosso corpo.

Qualquer problema na fáscia afecta e muitas vezes cria problemas de saúde para os quais não existe qualquer explicação uma vez que ainda não se consegue ver nem medir a fáscia e a sua condição.

É a fáscia que uma vez alterada cria muitos dos problemas como fibromialgia, dores, dores crónicas, dores miofasciais, problemas de circulação, problemas de drenagem, problemas de sensibilidade, problemas nos órgãos, escolioses, etc. etc.

A fáscia percorre todo o corpo ligando todas as partes. Ela vai da cabeça aos pés ligando e afectando tudo.

Ela é a responsável pela propagação de problemas ao longo do corpo e a responsável por muitos dos problemas que se manifestam numa zona tenham uma origem bem distante do local onde se manifestam.

Exemplos óbvios de alterações da fáscia são problemas num ombro onde muitas das vezes isso é apenas a manifestação de um problema existente noutra parte do corpo como por exemplo uma bacia mais baixa ou mesmo uma perna curta.

Quem ainda sabe um pouco de costura sabe que o pano não estica ou só estica até determinado ponto. A partir dali se continuarmos a forçar... o pano rasga. O mesmo acontece com o corpo.

Se temos uma perna curta ou uma bacia mais baixa ela puxa o ombro e com o tempo o problema aparece no ombro.

Mais simples do que isto é impossível. O óbvio está à nossa frente e muitas das vezes não o vemos.

Tratar o ombro de nada serve uma vez que os resultados serão temporários uma vez que a causa não foi resolvida.

A fáscia pode ser comparada a tecido (é um tecido) que liga todo o corpo humano e que propaga as suas alterações para cima e para baixo à semelhança de um tecido de costura de que são feitas as nossas roupas.

A diferença aqui é que a fáscia está em constante mudança e alteração e precisamos de entender que ela por norma altera para pior com a passagem do tempo.

Ok, é preciso também explicar porque se envelhece? O envelhecimento não é mais do que alterações na fáscia. As razões por detrás disto só agora estão a começar a vir ao de cima.

Uma vez que a fáscia está em constante alteração os problemas vão-se instalando lentamente e..... só doem ou só se sentem quando essas alterações são: 1) significativas ou 2) andaram demasiados anos sem serem notadas; frequentemente 10 a 40 anos depois.

Muitos dos meus pacientes têm (tinham) problemas na fáscia que vinham da infância e é muito frequente só se manifestarem em adultos e por vezes só a partir dos 40.

Agora imagine o que é andar a vida toda a carregar problemas que não doem nem se manifestam mas que desgastam durante uma vida.

Mas muitas das vezes tudo o que a pessoa tem são sintomas "esquisitos" que não acusam nos exames médicos por mais sofisticados que sejam e a pessoa vai andando em sofrimento durante anos até que um dia então lá surge o problema visível. Nessa altura ela faz o tratamento e melhora para passados mais alguns anos ele voltar e cada vez ele aparece mais rápidamente.

Da mesma forma a medicação que antes "resolvia", agora tem de ser mais forte ou diferente pois a outra deixou de actuar.

Conhece este filme? É um filme que se vê todos os dias.

E tudo porque se desconhece o que é a fáscia e a sua importância na saúde e no bem estar da pessoa.

E como se não chegasse, ainda existe o mito ou crença que ela não se pode alterar.

Felizmente que hoje é possível alterar a fáscia e eliminar coisas como:

Fibromialgia; Dores Crónicas; Dores Miofasciais; Escolioses, e muitos outros problemas que aparentemente nada parecem ter a ver com a fáscia.